zhang san feng

Quando procuramos as raízes to Tai Chi, como o conhecemos hoje, somos levados até á aldeia Chen, província de Henan, pois é aqui que existem registos escritos que provam que neste local nasceu a arte do Tai Chi. Até aos nossos dias, permanece a crença de que na origem do Tai Chi está Zhang San-Feng, um monge taoista que teria vivido na montanha de Wutang, durante a Dinastia Ming (1279-1644). Diz-se que da sua observação da luta entre a Cegonha e a Serpente, teria retirado alguns dos fundamentos do Tai Chi, ao verificar que os movimentos circulares, suaves e sinuosos da serpente impediam a ave de a apanhar e vencer. Chang enfatizou a harmonia do Yin/Yang como um meio de melhorar o desenvolvimento da mente e da habilidade física, a meditação natural, bem como, movimentos naturais do corpo propulsados por uma energia interna que deveria ser desenvolvida.  

Este sistema de práticas recebeu o nome de Tai Chi Chuan. Na época, o Tai Chi Chuan também foi criado com propósitos de combate, como uma arte marcial para o desenvolvimento externo e interno. Mas com o passar dos séculos esta função foi diminuindo, sendo colocada a ênfase nos propósitos relativos ao desenvolvimento da saúde. Tai Chi significa "o supremo". Isto significa melhorar e progredir em direcção ao ilimitado; significa a “existência imensa” e o “grande eterno”. Os mestres “verdadeiros” e dedicados permaneciam nas montanhas, e com os seus seguidores levavam uma vida monástica com o objectivo de manter a arte pura. Meditavam e praticavam diariamente para elevar o espírito, a condição da mente, disciplinar o corpo e elevar a essência. O sistema original foi preservado mais ou menos intacto, com as disciplinas da mente e do corpo sendo incluídas no treino. O esforço e a concentração, como firme propósito, eram requeridas para se atingir qualquer nível de evolução no Tai Chi. Os que atingiram os niveis mais elevados, tornaram-se líderes, formando com os seus seguidores um relacionamento de treino único entre mestre e discípulo. Esta tradição teve um importante papel na passagem do conhecimento e da sabedoria do Tai Chi para a sociedade, as suas características únicas permitiram uma divulgação que foi capaz de agradar a todas as classes sociais. Suportado pelas pessoas comuns e às vezes até pelos imperadores o “Templo” do estilo Tai Chi, adquiriu uma imagem forte e digna, traçando o caminho para que o Tai Chi se transformasse na Suprema Arte da Vida. Os Mestres de Tai Chi eram observados como símbolo da sabedoria. Os conhecimentos dos mestres na Arte da Vida e na Arte da Guerra, criaram figuras de respeito, eram vistos como pessoas que praticavam a justiça, a caridade e dedicavam-se à educação e às artes da medicina. Os seguidores do Tai Chi eram também conhecidos pela exigência moral a que pautava a sua prática e filosofia. Acreditavam que o povo deveria disciplinar-se para ser espiritual, saudável, bom e inteligente; ser responsável e auxiliar os outros para atingir graus maiores de desenvolvimento; amar a verdade; lutar ferozmente contra a imoralidade e a injustiça e proteger os necessitados e os fracos. Foi com estes objectivos em mente que o aspecto da arte marcial do Tai Chi se desenvolveu e foi enfatizado durante 800 anos.